28/04/17

Exposição | 100 anos do Almanaque do Camponez | 1 de Maio | 15h00 | Sala do Capítulo | Museu de Angra de Heroísmo



A 1 de Maio, também pelas 15h00, celebramos os 100 anos do Almanaque do Camponez, atualmente a mais antiga publicação do género dos Açores e a mais antiga do país. Na ocasião, Suzana Ferreira, técnica-superior do Observatório Astronómico de Lisboa, apresentará a comunicação "O Observatório Astronómico de Lisboa e o Almanaque do Camponez | uma celebração centenária" e terá lugar o lançamento de uma gravura comemorativa da autoria do artista plástico Luís Brum.

Oficina de Empalhamento | Dá Cá Aquela Palha | 30 de Abril | 14h00 às 17h00 | Museu de Angra do Heroísmo





No âmbito do programa de dinamização da exposição de escultura de Baltasar Pinheiro Conexão: Raminho – Gävsta decorrerá, no domingo, 30 de Abril, um ateliê de empalhamento, em colaboração com o Centro Regional de Apoio ao Artesanato que contará com a presença do escultor.

Este ateliê intitulado “Dá cá aquela palha” tem como monitora a artesã Manuela Medeiros.

A frequência é gratuita, mas dependente de inscrição prévia através do mail museu.angra.agenda@azores.gov.pt ou do telefone 295240800.

A participação está limitada a 12 formandos com idade igual ou superior a 15 anos.

26/04/17

Exposição | Catarina Branco - Evolução do seu trabalho | 29 de Abril | 18h00 | Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas | São Miguel


Escultura | Exposição | Conexão: Raminho – Gävsta, de Baltasar Pinheiro | 29 de Abril | 15h00 | Museu de Angra do Heroísmo



O Museu de Angra do Heroísmo inaugura no próximo sábado, pelas 15h00, a exposição de escultura de Baltasar Pinheiro  Conexão: Raminho – Gävsta, que ficará patente na Sala Dacosta até 30 de junho.
 
A pedra vulcânica e a madeira complementam-se nestes trabalhos, materializando o encontro improvável entre dois lugares situados em diâmetros opostos da Europa Ocidental: Raminho, a freguesia da ilha Terceira onde nasceu o escultor e Gävsta, localidade sueca em que reside há dez anos.
 
Baltasar Pinheiro é natural da ilha Terceira. O seu percurso artístico começou num curso de iniciação à cerâmica na Casa do Sal, em Angra do Heroísmo, com o artista terceirense Renato Costa e Silva, cujo ateliê frequentou durante vários anos. Na Suécia, estudou escultura no Gothemburg Art College. Vive atualmente em Uppsala, onde trabalha e continua a desenvolver a sua carreira artística. Já expôs individual e coletivamente em Portugal e na Suécia.

07/04/17

Exposição | "Boa Nova À Noite" | 12 de Abril | 20h00/22h00 | Núcleo de História Militar Manuel Coelho Baptista de Lima | Museu de Angra do Heroísmo



Caro(a) amigo(a) do Museu de Angra do Heroísmo
 
O Museu de Angra do Heroísmo dá continuidade na próxima quarta-feira, dia 12 de abril, das 20h00 às 22h00, ao programa de dinamização do Núcleo de História Militar Manuel Coelho Baptista de Lima, promovendo a abertura noturna daquele espaço expositivo, para que o público tome conhecimento da rica e variada Coleção de Militaria ali instalada.
 
Este programa noturno viabiliza não só a visita às três exposições patentes naquele espaço, Os Homens, as Armas e a Guerra, Memória e Novidade: Manuel Coelho Baptista de Lima e Património Açoriano e O Hospital Real da Boa Nova, como permite também o acesso às Reservas de Uniformes, Armas Ligeiras e Armas Pesadas, usualmente interditas ao público. A entrada é gratuita e não depende de inscrição prévia.
 
O Núcleo de História Militar Manuel Coelho Baptista de Lima, instalado no antigo Hospital Militar da Boa Nova, acolhe a notável Coleção de Militaria do Museu de Angra do Heroísmo, sendo o único museu português não integrado no Ministério da Defesa, subordinado a esta temática, em que estão representados os três ramos das Forças Armadas, para além da Guarda Nacional Republicana e da Polícia de Segurança Pública.
 
Composto por peças de artilharia ligeira e pesada, armas de fogo, armas brancas, proteções metálicas, projéteis, equipamento de logística, arreios, uniformes e condecorações, este acervo, na sua maior parte acomodado em reservas concebidas em obediência à tipologia dos diferentes materiais, reflete o interesse pela área militar e o espírito colecionista do primeiro diretor do Museu de Angra do Heroísmo, Manuel Coelho Baptista de Lima, que, durante mais de três décadas, garantiu por várias vias o seu enriquecimento.
 

Literatura | Biblioteca nas Freguesias - Serão de Contos: “OLHOS GRANDES, BOCA ABERTA” | 8 de Abril | 20h30 | Núcleo Museológico dos Altares | Angra do Heroísmo